5 de outubro de 2012

Que a vida ensine que o tão ou o mais difícil de ter razão,
é saber tê-la.
Que o abraço, abrace.
Que o perdão perdoe.
Que tudo vire verbo, e verbe.
Verde, como a esperança.
A vida é substantiva, nós é que somos adjetivos.


(Crônica de Artur da Távola)

Nenhum comentário:

Postar um comentário