8 de agosto de 2013

Eu te peço perdão por amar de repente, embora o meu amor seja uma velha canção nos teus ouvidos. 
Das horas que passei à sombra dos teus gestos, bebendo em tua boca o perfume dos sorrisos. 
Das noites que vivi acalentando pela graça indizível dos teus passos eternamente fugindo. 
Trago a doçura dos que aceitam melancolicamente.
(Vinicius de Morais)




Pois é...

Nenhum comentário:

Postar um comentário