22 de maio de 2014


Ninguém nunca soube do meu medo de nadar em lugares profundos, de amar demais, de se perder um pouco de tanto amar, de não ser boa o suficiente. Ninguém nunca viu meu corpo de verdade, minha alma de verdade, meu prazer de verdade, meu choro baixinho embaixo da coberta com medo de não ser bonita e inteligente.

(Tati Bernardi)






Nenhum comentário:

Postar um comentário